Buscando explorar os lugares mais remotos da América o Sul, com a comodidade de ter nosso lar por perto, além da autonomia para ficar em lugares isolados por um período razoável de tempo, optamos por viajar de camper truck ou casa rodante, como gostamos de chamar. Conceito muito difundido na América do Norte e Europa, porém ainda pouco conhecido no Brasil.

Queríamos também um sistema versátil, que funcionasse tanto em nossa vida cotidiana em casa, quanto para expedições ao desconhecido.

 

carro-transformado-em-camperOu seja, buscávamos um sistema que a gente pudesse desmontar facilmente e ter uma camionete normal ou montar para partir para uma aventura. Sobretudo, não queríamos fazer modificações que afetassem características originais da camionete, para não ter problemas com uma possível venda no futuro.

E sim, no final tudo isso se provou possível! Partimos então para conhecer nosso pequeno Transformer!

Projetando nossa Camper

Tínhamos o período  de 4 meses para escolher, adquirir, revisar e adaptar nossa casa continental. Fora o fato de estarmos empenhados com diversas questões profissionais, pessoais,  inventado de fazer um blog, projetos itinerantes e por fim planejarmos a viagem. Assim já começou a aventura! rs

A dita casinha trasformer se trata de uma camionete  Nissan Xterra 4×4. Como não encontramos outros carros como esse que tivessem sido adaptados para ser uma casa, eu e a Manu buscamos muitas referências de outras campers e então criamos nosso próprio projeto.

Para fazer isso, pensamos nas coisas de uma casa normal que precisaríamos ter em nossa rodante: cama confortável, cozinha, closet, lavanderia etc. Hehe! Pode parecer piada, mas é por aí mesmo.

A partir daí quebramos muito a cabeça para fazer caber tudo dentro deste minúsculo espaço e para poder acessar todos os recursos de maneira rápida e eficiente.

cafe-da-manha-no-carro

Construção dos Móveis

Logo descobri o óbvio, precisava de ajuda! De alguém sagaz e parceiro o suficiente para abraçar essa ideia tão maluca. Logo me surgiu em mente o nome de um grande amigo escalador de Foz do Iguaçu, o Dilson “Zangão” Dantas, que é perito em desafios de montagens de palcos e teve papel fundamental no desenvolvimento do projeto e sobretudo na construção.

 

construcao-dos-moveis-para-o-carro

Depois de muita quebração de cabeças com as medidas, pois o carro possui diversos ângulos, abaulados e quinas, que requisitavam adaptações e criatividade, visualizamos ser possível realizar tudo que queríamos. Então partimos para a construção!

Projeto da Cama:

  • Definimos que a cama deveria ser  dentro da camper, ao invés de barraca no teto. Por questões de segurança, pois achamos que assim chama menos atenção e poderíamos pular na direção e partir sempre que nos sentíssemos desconfortáveis em algum local ou situação, como inclusive já rolou
  • Chegamos as seguintes medidas: cama de 1,72 cm de altura por 1,05 cm  de largura (parte da cintura pra baixo) e 1,30 cm (parte da cintura pra cima em razão dos espaço extras laterais do movél). Dessa forma, com os 1,72 cm de largura, poderia utilizar a inclicação normal de dirigibilidade do banco do motorista, mesmo com a cama aberta. E caso quiséssemos nos espixar mais, bastaria abaixar os bancos dianteiros – vale dizer que tenho 1,73 cm de altura e tenho dormido confortávelmente

 

projeto-da-camaprojeto-da-cama-com-colchao

  • Ser desmontável, para ter possibilidade de ter assento traseiro e poder levar passageiros quando necessário (no dia a dia vimos que assim a logística do carro fica bem mais fácil também)
  • Então ela tem duas partes: uma que é o topo do armário com gavetas, que é fixa, e outra que fica acima dela e puxamos apenas para dormir
  • Para abrir essa segunda parte da cama, um lado fica apoiado em seus dois pés de mesa, que são dobráveis, e outro em uma madeira apoiada em mãos francesas:

cama-desmontavel

cama-desmontavel-2Cozinha e armário de roupas:

  • Serem duas grandes gavetas, com corrediças fortes, com fácil acessibilidade
  • Com tampas de nylon, para servirem de mesas de apoio e até para refeições rápida, quando não quiséssemos pegar a desmontável no bagageiro
  • Com as seguintes medidas: cada gaveta possui 20cm de altura, 50 cm largura e 80 cm de extensão. Sendo espaço suficiente para nossa cozinha e closet (hehe!)

Leia também o que levar para comer em acampamento ou motorhome

armarios-no-carro

cozinha-no-carro-camper

Material  utilizado para os móveis da camper:

Com as medidas e desenhos em mão, partimos assim para o cálculo e compra do material a ser utilizado:

  • 2 placas de compensado naval impermeável 15mm de  2,35 por 1,50.
  • 4 pares de corrediças telescopicas de 500mm, com resistência de 30 kilos cada. Sendo utilizadas 2 pares em cada uma das duas gavetas. Dobrando assim a resistência
  • Cola para madeira e muitos pregos. Montagem de toda a estrutura do bau cama e gavetas
  • 3 dobradiças francesas
  • 4 tensores, para prender o bau cama junto aos pregas do porta malas originais do veículo
  • Muitos parafusos de vários tamanhos
  • 6 metros de tubos metálicos quadrados 20mm. Estrutura da extensão plataforma da cama
  • Verniz para a madeira
  • 2 metros de tubos metálicos redondos 15mm, pés da cama

 

materiais-utilizados

A soldação da “plataforma extensão da cama” foi realizado pelo Toninho de Foz do Iguaçu, mestre em soldação e paciente em entender tudo que queriamos. Pois o compensado é maleavel e poderia se dobrar. E com este projetamos também os pés da parte dianteira da cama, que poderiamos facilmente recolher quando empurrassemos a plataforma para trás sobre o gaveteiro.

Vale dizer que a plataforma ficou extremamente estável e sólida. Então não recomendaria utilizar materias menos resistentes, para não correr o risco da estrutura se danificar no decorrer da viagem.

Segue a foto do projeto feito a mão bem toscamente (hehe!), porém constando tudo que necessitávamos saber:

20160508_172757

Estofados e Cortinas

Para o estofado da camper, compramos um tecido resistente a água e espuma de 5cm com resistência de 30%. Então levamos em uma estofaria, explicamos detalhadamente o que queríamos e então eles cortaram e costuraram capas para duas peças:

  • Uma para funcionar como parte da cama e também como banco traseiro, então com uma dobra no meio e furos para passar os cincos de segurança
  • Outra só como cama, mas com dobradiças na lateral, para facilitar o acesso aos espaços livres ao lado do móvel

estofado-do-carro

estofado-do-carro-camper

A etapa das cortinas da camper parecia simples, mas acabou sendo desafiadora! Primeiro pensamos em aproveitar ganchos internos da Xterra e instalar mais alguns outros, para então passar um cabo de aço e deixar as cortinas penduradas. Só que as janelas da camioneta são muito irregulares.

Então tivemos a ideia de cortar peças separadas para cada uma das janelas e fixar as cortinas com imãs de iodíneo, que são muito fortes e assim colariam facilmente a lataria do carro por dentro, lateral as janelas. Para isso utilizamos tecido blecaute com uma certa espessura, para também proteger as janelas das baixíssimas temperaturas que encontraríamos no caminho.

Por sorte encontramos uma costureira muito prestativa (e paciente), a Dona Lúcia de Foz do Iguaçu, que fez as cortinas sob medida e costurou os imãs um a um com o maior capricho.

Para fixar no carro, a maioria das janelas tem lataria em volta. Só nas janelas laterais traseiras e vidro frontal que tivemos que improvisar com chapinhas de metal e fita 3M, assim como utilizamos o próprio retrovisor e instalamos ganchinhos nas laterais para ajudar a suportar.

cortinas-para-o-carro

senhora-conhecendo-o-carro-camper

Parte Elétrica

Para a parte elétrica fizemos 4 modificações substanciais na camper:

  • Luzes de Led: para melhorar a iluminação da casinha, tanto na parte interna quanto externa (acesso aos gaveteiros da cozinha): então instalamos fitas de led em pontos estratégicos – na parte central entre os bancos d frente, nas laterais próximo ao local dos bancos traseiras e na porta traseira, para iluminar as gavetas de roupas, cozinha e área onde armaríamos mesa e cadeiras. A luzes de led gastam pouquissima energia e assim não sobrecarregam as baterias quando estamos parados, assim como forncem excelente iluminação, para cozinharmos na parte de trás do carro, montarmos mesa e cadeiras.

 

parte-eletrica-do-carro-camper

  • Conversor de Energia: precisávamos de energia 110v para carregar equipamentos elétricos como notebook, cameras, etc: então optamos por um conversor de 12v para 110v, com 1000 wats de potência continua. O conversor, foi colocado abaixo do banco do passageiro, para ficar na mão e também não incomodar no dia a dia. Esse conversor é ligada diretamente na bateria auxiliar como será explicado logo abaixo.

 

  • Bateria Auxiliar: com o intuito de ter mais autonomia, para poder ligar luzes, carregar equipamentos e cooler elétrico: então instalamos uma bateria de gel 35Ahm na parte da frente do carro, que é carregada diretamente pelo alternador do carro, quando este esteja rodando, nos oferecendo uma autonomia de pelo menos 2 a 3 dias quando o carro está parado. Assim, o conversar 12v-110v é ligado diretamente nessa bateria auxiliar, a qual também possui uma saída de acendedor 12v, nos fornecendo também essa opção quando estamos parados, inclusive para manter o cooler 12 v continuamente ligado, evitando que frutas e verduras pereçam mais rapido.

motor-do-carro-camper

Todas essas instalações elétricas foram feitas com muito capricho pela equipe do Claudião Som em Foz do Iguaçu.

Além dessas modificações, como acessório ainda colocamos uma bateria principal mais potente.As baterias originais para esse tipo de veículo giram em torno de 75 Ahm. Contudo, sabíamos que o tipo de viagem que pretendíamos fazer iria exigir muito das baterias: como ligar o carro em climas extremamente frios, deixar o carro parado por alguns dias, utilizando luzes e som quando parado.

Assim, busquei encontrar qual seria o máximo de potência de uma bateria que poderia caber no espaço disposto no veículo para tanto, tentamos de 110Ahm, mais a única que coube foi a bateria marca Moura de 90Ahm de potência, umas das melhores baterias nacionais, zero, que tem nos salvo de algumas roubadas.

 

Custos da Conversão para Camper

Para quem também quiser viajar com mais liberdade e converter sua camionete em camper, segue o que gastamos com a conversão da parte interna da camper:

Móveis: 

  • Compensado, corrediças: R$550,00
  • Solda e material metálico: R$200,00

Estofado e Cortinas:

  • Material estofado e mão de obra: R$380,00
  • Tecido cortinas, imãs e mão de obra: R$480,00

Parte Elétrica: 

  • Inversor 1000W: R$325,00
  • Bateria Gel: R$477,00
  • Fitas Led: R$250,00
  • Mão de obra da instalação: R$300,00

Custo para parte interna = R$2.962,00

Ainda tiveram gastos com a parte externa, como calhas, bagageiro no teto e insulfilm nas janelas. Também custos dos acessórios e utensílios domésticos.

Levamos também muitos itens de camping e escrevemos sobre eles no post: O que Levar para Acampar.

Finalmentes…

Temos ainda os acessórios que completam nosso carro de expedição, como fogareiro,  filtro de água, reservatórios etc.

Então estando bem preparado, é possível sim viver com conforto rodando pelo planeta, com uma casa dentro de uma camionete 4×4!

13987493_1070534289661392_3020441083798852429_o

 

Está aí nossa conversão de uma camionete para uma camper de expedição! Espero que possa ajudar e inspirar a todos a levar suas aventuras mais adiante.

Agora que já estamos na estrada há algum tempo, podemos dizer que a camper tem sido bem confortável e a liberdade proporcionada é extremamente gratificante. Nos faz querer ir sempre mais longe e com menos preocupações!

Curtiu a conversão da nossa camionete em camper? Compartilhe nas redes sociais, clicando abaixo:

Autor

Nascido em Vitória no Espírito Santo e criado em Foz do Iguaçu no Paraná. Gabriel atua como advogado há 7 anos na região da tríplica fronteira de Foz, na esfera acadêmica concluíu mestrado na Universidade de Berkeley na Califórnia. Após 12 anos de experiência em escaladas em rocha e alpina, resolveu levar a aventura mais adiante por meio de um projeto que conciliasse sua carreira e paixão por explorar o mundo.