Pense em uma cratera gigante, repleta de vulcões com topos congelados, lagunas altilplânicas repletas de flamingos e ainda paisagens lunares sob o céu mais estrelado do planeta. Pois é…assim fica fácil entender a multidão de viajantes que tem o Deserto do Atacama como sonho de consumo.

San Pedro do Atacama e seus arredores estavam incluídos desde o começo em nosso roteiro de viagem pelo Chile e América do Sul. O plano era ficarmos sete dias lá com nossa casinha rodante, mas acabamos ficando três semanas! 

Foram semanas incríveis! Uma delas com nossa camper estacionada na casa de pessoas locais, que nos acolheram como irmãos e nos permitiram conhecer melhor o modo de viver e a cultura do deserto. Além de termos aprendido sobre o humor chileno, que é quase como aprender um novo idioma. Hehe!

Então continue lendo para descobrir  locais lindos, caminhadas, escalada em rocha, trabalho voluntário e mais experiências únicas que rola ter lá no Atacama!

Listamos os locais que mais curtimos por lá, com dicas, horários e preços dos ingressos (em pesos chilenos, que na época que fomos estava R$5,00 para cada 1.ooo pesos mais ou menos):

Dicas do que fazer no Deserto do Atacama

Laguna Tebenquiche e Ojos del Salar

deserto-do-atacama-laguna-tebenquiche-e-ojos-del-salar

 

Essas foram uma das primeiras paradas da nossa exploração pelo Deserto do Atacama. No caminho observamos de longe duas crateras perfeitas no chão, cheias de água dentro. Como fomos sem um roteiro definido, não sabíamos do que se tratavam.

Os administradores do local, que fazem parte da comunidade nativa de Coyo, vieram até nós e nos explicaram que aquelas curiosas formações são os Ojos del Salar e que a água contida neles é salgada. Mesmo sendo um gelo, não perdemos a oportunidade de dar um mergulho!

Próximo dos Ojos ficam uma das lagunas mais lindas que visitamos. A Laguna Tebenquiche reflete todo seu arredor, com a Cordilheira dos Andes e seus vulcões, cores do deserto, formações de sal e flamingos, formando uma paisagem surreal!

A visita aos Ojos del Salar é gratuita e à Laguna Tebenquiche custa 2.000 pesos chilenos por pessoa (cerca de R$10), sendo uma das visitas com preço mais acessível do Atacama.

Uma outra parada que costumam incluir neste trajeto é tomar banho na Laguna Cejar, que devido à alta concentração de sal o corpo flutua com muita facilidade. Nós fomos até a entrada, mas em nossa opinião custa muito caro e não entramos (15.000 pesos chilenos ou cerca de R$75 por pessoa).

 

Pueblo de Artesanos

deserto-do-atacama-pueblo-de-artesanos

Perguntei para uma nova amiga que está morando em San Pedro de Atacama – Pauline, de Paris – sobre um local diferente para conhecer na cidade. Fomos então dar um rolê de bicicleta e ela me levou no Pueblo de Artesanos.

O Pueblo é um local com lojas e oficinas de artesão locais, alguns cafés, restaurantes e espaço para apresentações culturais. Lá você vai encontrar artesanato de oito povos altiplânicos locais, que trabalham com pedras vulcânicas, sementes, cerâmicas, mosaicos, pinturas rupestres, acessórios em cobre e prata, materiais reciclados, entre outros.

No Pueblo de Artesanos é possível acompanhar o processo de produção dos produtos, pois muitos têm sua oficina lá mesmo. #compredequemfaz

O Pueblo de Artesanos fica na entrada da rodoviária da cidade (Calle Tumisa) e funciona quase todos os dias, exceto nas terças, das 10h30 às 19h.

 

 

Termas de Puritama

deserto-do-atacama-termas-de-puritama

Dentro de um canyon, em um rio com água quentinha (entre 25 e 30°C), os Termas de Puritama são um bom lugar para tomar banho e relaxar, mesmo quando está um pouco frio. Lá tem várias piscinas naturais e pequenas cachoeiras para se banhar.

O local conta com infraestrutura de banheiros, vestiários e mesas de pique nique cobertas. E mesmo sendo um local bem turístico, mantém uma certa rusticidade charmosa, com passarelas vermelhas de madeira e plantas tipo palha, que são originais do local.

Além de relaxar, o local é indicado também para tratamentos medicinais alternativos. A água do rio contém sulfato sódico e são recomendadas para tratar reumatismo, artrite, cansaço, dores e stress.

Os Termas de Puritama ficam a 30km de San Pedro e 3.500m de altitude. Custa 15.000 por pessoa e em dias de semana depois das 14h cobram 9.000 por pessoa. Nós fomos depois das 14h e achamos que foi tempo suficiente para curtir os banhos e relaxar.

Fica também no caminho para o Geyser del Tatio (falo logo aqui a abaixo) e nós passamos lá a caminho de pernoitar com nossa camper no estacionamento de lá. Quem vai com tours ou carro alugado costuma ir às termas logo depois de visitar o Geyser, mas como no Geyser também tem piscina de água termal, preferimos fazer assim.

Geyser del Tatio

deserto-do-atacama-geyser-del-tatio

deserto-do-atacama-piscina-termica-geyser-del-tatio

O Geyser del Tatio é um belo espetáculo de erupção de água e gases começa com os primeiros raios de sol e chegam a 10m. A altitude de 5.200m e temperaturas negativas (pegamos -15°C), combinados à uma paisagem desértica, com máquinas antigas ao fundo, fez a gente se sentir no filme Madmax!

Esse é o terceiro maior campo de geysers do mundo, com 40 deles espalhados em 3 Km2. No local tem também uma piscina rústica térmica, onde rola tomar banho e curtir o visual dos geysers. Por um momento eu até duvidei de que a água pudesse estar quente o suficiente para suportar o frio de fora, mas alguns locais mais próximos das nascentes são bem quentes mesmo. Fora que tomar banho curtindo esse visual era imperdível!

Para quem viaja de camper, é possível dormir no estacionamento do geyser. É extraoficial, mas o cuidador do local vem conversar e não faz problema. Há banheiros no local, que ficam abertos à noite.

Nós optamos por fazer isso porque a visita começa às 5h30 da manhã e os geysers ficam a 80 Km de San Pedro de Atacama – com estrada dura ainda por cima. Apesar de não estarmos esperando um frio tão extremo, conseguimos dormir até que bem e valeu a aventura!

O preço do ingresso é 5.000 para estrangeiros e 3.500 para chilenos.

Projeto ALMA

deserto-do-atacama-projeto-alma-astronomia

O Deserto do Atacama é considerado o local com melhor visibilidade do espaço de todo planeta. Por isso, lá foi o lugar escolhido para construir o ALMA, que é o maior observatório astronômico do mundo e também o mais alto, a 5.000m de altitude.

Segundo um guia da região, o ALMA “conta com 66 telescópios ou antenas de rádio, a maioria delas com 12m de diâmetro”. Funciona como fragmentos de um telescópio gigante, equivalente a uma antena de 16 Km de diâmetro. E em conjunto estudam o nascimento de galáxias, estrelas e planetas.

Esse é um projeto internacional, que conta com a colaboração do Chile, Estados Unidos, Europa, Japão, Canadá, Taiwan e Coréia do Sul.

O Sítio de Apoio às Operações do ALMA recebe visitantes, quando então é possível conhecer a sala de controle, laboratórios e muitas vezes a manutenção de antenas.

As visitas acontecem aos sábados e domingos pela manhã, das 9h às 13h. O tour é gratuito e é necessário se inscrever com antecedência no site http://www.alma.cl/ (geralmente no mínimo um mês antes). A visita para crianças com menos de 4 anos não é permitida.

O local fica a 50 Km de San Pedro de Atacama e o ALMA fornece transporte gratuito da cidade até as instalações.

Bosque Tambillo

deserto-do-atacama-bosque-tambillo

Como estamos viajando de camper (que é casa e carro ao mesmo tempo), costumamos procurar sombras para cozinhar e descansar. E como é de se esperar…sombra é coisa rara em um deserto!

Dirigindo a caminho de Toconao e Socaire, nos surpreendemos quando avistamos nada menos que…árvores! Pois é, o Bosque Tambillo é um dos poucos locais do Atacama que tem árvores. Tudo bem que elas são cobertas de espinhos, de uma espécie chamada Tamarugos, mas está valendo!

Para quem está viajando de carro, é um bom local para fazer pique nique, com uma pequena área com mesas e bancos. Alguns tours param para comer ali também.

Para outlanders (viajantes por terra) é um bom wild camping. Nós e pessoal com outras duas campers passamos uma noite tranquila ali!

Escalada em Rocha

deserto-do-atacama-escalada-em-rocha-chile-socaire

No Deserto do Atacama têm dois picos de escalada em rocha: Socaire e Toconao. Com escalada esportiva e também tradicional, em meio à paisagens surreais do deserto.

Passamos alguns dias escalando por lá e demos alguns betas, indicação de mapas e croquis no post Escalada Chile.

 

Vulcāo Lazcar e Laguna Lejia

deserto-do-atacama-vulcao-lazcar

O Vulcão Lazcar tem 5.650m de altitude e é um um dos poucos vulcões ainda ativos do norte do Chile. Então além de um trekking lindo, ainda se vê os gases do vulcão ao chegar no topo (mas não lava).

A nossa aventura incluiu despertar ao nascer do sol em meio às montanhas e tomar café da amanhã à beira da Laguna Lejia, que fica próximo ao Lazcar e outros vulcões à sua volta.

É possível chegar de carro a 5.000m de altitude e dali subir mais 650 m. A trilha é pouco técnica, mas a altura pega bastante!

A gente optou por fazer a caminhada por conta própria, sem guia, e achamos bem tranquilo, pois a trilha é bem demarcada! Até chegamos a baixar a trilha no GPS e convidamos novos amigos da Suíça para irem junto (assim nos ajudaríamos no caso de algum perrengue com os carros), mas chegando lá vimos que o acesso para camionetes 4×4 era tranquilo!

Vale dizer que a gente tá acostumado a fazer trilhas e também fomos em época de calor – no inverno pode chover e pegar muita neve. Então se você se sentir inseguro, melhor ir com um guia (que custa em torno de 100.000 por pessoa). Não é cobrado ingresso para subir a montanha.

Cidade fantasma de Talabre Viejo

deserto-do-atacama-talabre-viejo

No caminho de ida e volta à ascensão do Vulcão Lazcar, pernoitamos em Talabre Viejo, um pueblo que se tornou fantasma, devido à uma erupção desse vulcão nos anos 80.

“Mesmo estando há dezenas de quilômetros de distância do vulcão, pouco restou de Talabre, hoje chamada Talabre Viejo. O que foi um próspero vilarejo, de talvez milhares de pessoas, restou apenas cinzas. Mesmo assim sentíamos o que foi esse lugar um dia, a presença da vida que aqui um dia existiu.

Interessante observar as construções e também detalhes da mistura religiosa existente naquela região: símbolos pagãos da lhama, estrelas, grãos representando a terra Pachamama, junto com o símbolo da cruz da religião católica. Tudo isso esculpido no pequeno altar da igrejinha abandonada” – relato do Gabriel B. Coutinho, co-fundador do Local Planet e meu parceiro para a vida.

Talabre Viejo não é um local organizado para turismo, portanto não há estrutura ou ingresso. Fomos com o nosso carro até lá e para quem viaja em outros meios acredito que não tenham tours organizados.

Vale dizer que a estrada, logo que passa pelo cemitério, começa a ficar bem arenosa e pode dificultar o acesso. Para quem viaja de moto ou carro sem 4×4 melhor fazer toda a descida a pé.

Cordilheira de Sal

deserto-do-atacama-cordilheira-de-sal

A Cordilheira de Sal é um mirante com vista maravilhosa de um local que costumava ser um lago, que foi emergido e moldado ao longo de 23 milhões de anos.

É verdade que quase todos os locais do Deserto do Atacama são um cenário perfeito para o pôr do sol, mas esse foi um dos nossos favoritos!

O interessante é que aqui a entrada é gratuita, enquanto logo ao lado tem o Mirador de Kari, que cobra entrada (mas se conseguir ir no mesmo dia da visita ao Vale da Lua está incluído). Optamos pelo grátis, que não deixa nadinha a desejar! 😉

Vale da Lua

deserto-do-atacama-vale-da-lua-valle-de-la-luna

Com formações rochosas lindíssimas e bem próximas da cidade de San Pedro, apenas 4km, o Vale da Lua (ou Valle de la Luna) é o local mais popular do Atacama.

Mesmo com a quantidade imensa de turistas, a visita ao vale é surreal. Além das paisagens maravilhosas a perder de vista, é possível sentir a energia ancestral do local.

Não sabíamos que o local era tão grande e com tantos lugares para explorar, então chegamos lá 1h30 antes do horário de fechamento. Só que ao invés de isso causar ansiedade, na verdade acabou propiciando momentos únicos…como ir às formações rochosas Las Tres Marías logo depois do pôr do sol, quando as centenas de visitantes já estavam voltando. Então pegamos um momento raro de ter o local só para a gente.

Enquanto admirávamos toda aquela beleza, ouvimos ao fundo um som de flauta tocando músicas nativas. Era o guarda parque, demonstrando que sua dedicação ia além do trabalho. Mostrando sua conexão com o local.

E quanto à informações mais práticas e de aventura: é possível entrar de carro ou alugar uma bicicleta em San Pedro (e devo dizer que apesar de não termos feito isso, deu muita vontade de pedalar por lá). Outra possibilidade é entrar correndo e percorrer uma trilha de 10km que vai de lá até o Valle da Morte.

O preço do ingresso custa 2.500 antes das 12h e 3.000 depois. Tem desconto para estudantes, crianças e 3a idade, ficando 2.000 antes das 12h e 2.500 depois.

 

Museu do Meteorito

deserto-do-atacama-museu-do-meteoro

O Museu do Meteorito é um dos locais que não conhecemos, mas estou incluindo no guia porque gostaria de ter ido. Li que lá é pequeno, mas bem interessante. Exibe coleção de 3.000 meteoritos, além de experiências sensoriais.

O local fica na cidade de San Pedro mesmo, na rua Tocopilla, número 40. O ingresso custa 3.500 para adultos e 2.500 para crianças. No verão fica aberto das 11h às 13h e das 18h às 22h e no inverno das 11h às 13h e das 16h às 21h.

Trabalho Voluntário

deserto-do-atacama-trabalho-voluntario

Conhecemos o Feña, um dos fundadores do Aloja Domo, quando procuramos a Secretaria de Cultura e Turismo para organizar um dos nossos cursos gratuitos de Marketing Digital.

Então além do curso, nos envolvemos também com um projeto de construção de domos geodésicos deles. O Gabriel trabalhou como voluntário por uma semana e aprendeu pra caramba com eles! Além disso, a experiência de morar com ele e outras pessoas locais foi muito enriquecedor, por conhecer pessoas maravilhosas e nos imergirmos na cultura local durante esse período.

Transporte no Atacama

Para quem vai viajar para o Atacama com o próprio o carro é bem tranquilo! Apesar das estradas não serem asfaltadas, os acessos são fáceis e até carros 1.0 chegam na maioria dos locais sem problema. Na nossa opinião, apenas para subir parte do Vulcão Lazcar, ir até Talabre Viejo e Geyser del Tatio é recomendável ter 4×4.

No Atacama não tem serviço de transporte público para os locais de visitação. Por isso, a maioria dos viajantes contratam pacotes com agências para fazer todas as visitas. Damos a dica de uma agência local logo abaixo.

Percebemos que os passeios das agências costumam ter preços salgados. Alguns deles justificam, como ao Geyser del Tatio, que fica bem afastado e tem estrada muito ruim. Já outros nos pareceram ter preços exageradamente altos, provavelmente devido à alta demanda.

Para os mais aventureiros, uma boa opção alternativa é o aluguel de carros. Conhecemos um casal de brasileiros que tinha pego um vôo para Santiago e lá alugaram um carro, dirigindo até San Pedro do Atacama e outros locais.

Em San Pedro é possível alugar um carro, mas o preço é alto. Pesquisei para escrever esse post e encontrei um camionetes 4×4 entre a R$350 a R$400 (preço alto por só ofertarem camionetes de luxo).

Já para alugar carro em Calama (que fica a 100 Km de San Pedro e tem aeroporto), um carro de passeio custa em torno de R$150 a R$200 por dia para o mês de março/2017, por exemplo. Você pode ver o preço do aluguel atualizado aqui.

Também nos disseram que em San Pedro tem outras opções de aluguel informal de camionetes, mas não temos infos de preços e tampouco se são confiáveis. Caso você tenha, deixa um comentário aqui no post, por favor!

Uma outra alternativa ainda é alugar uma bicicleta para fazer os passeios mais próximos, como ao Vale da Lua, Vale da Morte e Cordilheira de Sal. No centrinho de San Pedro de Atacama têm vários locais que alugam bicicleta.

Nota: ao clicar nos links dessa seção de transporte no Atacama, você será redirecionado para um site parceiro de aluguel de carros. Para conferir os preços, escreva “Calama” no campo de busca, insira as datas desejadas e clique em “buscar”. Caso efetue o aluguel por esse link, você apoia o Local Planet e não irá pagar nada extra por isso, pois o parceiro nos fornece uma comissão.

 

Agência de Turismo no Deserto do Atacama

Nós não fizemos nenhum passeio com agências ou guias, pois estávamos viajando com nosso próprio carro, mas pedimos uma indicação para poder compartilhar.

A agência Talatur Excursiones foi uma sugestão do Feña, amigo local que trabalha na Secretaria de Cultura e Turismo. Ele explicou que os fundadores e guias são locais, portanto além de conhecer muito bem a região, tem uma conexão forte com a cultura e crença locais.

Então diferente de outras agências, que pertencem a grandes empresários de Santiago, ao contratar eles você está apoiando o turismo local e comunitário. A agência fica em San Pedro de Atacama, na rua Le Paige, 230. #negociolocal

Tem mais dicas do Deserto do Atacama?

Só deixar para a gente nos comentários!

E caso tenha gostado do guia, pedimos que compartilhe nas redes sociais 😉

Autor

Oi! Sou co-fundadora do Local Planet e diretora da Enlink, agência de marketing digital. Nascida e criada em Foz do Iguaçu - PR, pratico escalada em rocha e corrida de rua, sou DJ no Brothas N Sista, fã de alimentação saudável e programações culturais.

3 comentários

  1. Olá! Adorei as informações que passaram nesse post sobre o Atacama. Eu e meu namorado estamos com viagem marcada pra lá, para o próximo dia 26/12. Vamos com um carro popular, 1.0, e pretendemos rodar o deserto por conta própria também. Lendo esse post surgiu a ideia de pernoitarmos na Laguna Lejia e fazermos o trekking no vulcão Lascar. Vocês que estiveram por lá agora sabem informar as condições da estrada até o início da trilha? Se seria possível ir com um carro baixo, sem tração nas 4 rodas? Agradeço de antemão as informações; Muito boa viagem pra vocês!!

    • Manuela Sanches

      Oi Helena! Dos locais que a gente menciona no post o vulcão Lazcar, Laguna Lejia, Talabre Viejo e Geyser del Tatio seriam problemáticos para chegar com um carro 1.0. Tanto pela condição das estradas, quanto pela altitude. Os demais locais seriam tranquilos a gente acha! Então sugerimos considerar contratar um tour para esses locais e curtir os demais indo de carro! E meu, que massa que vão encarar essa aventura! A melhor forma de curtir o Atacama é indo com transporte próprio mesmo. Levem barraca para acampar ou colchão inflável para dormir dentro do carro! Muito pico pra fazer wild camping por lá! Boa viageeem! Depois contem para a gente como foi tudo! Abs

  2. Pingback: Conheça o Projeto Social e de Viagens | Local Planet

Escreva um comentário